últimas

Homem é preso suspeito de torturar mulher grávida por achar que filho não era dele, em Manaus

Vítima é uma jovem de 21 anos, grávida de 4 meses. 


Um motorista de aplicativo, de 22 anos, foi preso nessa quarta-feira (9), em Manaus, suspeito dos crimes de tortura e injúria combinados com violência doméstica, cometidos contra sua companheira, uma jovem de 21 anos. 


A vítima está grávida de 4 meses. Segundo a polícia, o homem teria cometido os crimes por desconfiar que o filho não era dele. 


A prisão ocorreu no bairro Aleixo, zona centro-sul da capital. A ação foi deflagrada pela Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DECCM) centro-sul. 


De acordo com a delegada Débora Mafra, a vítima está grávida de 4 meses, fruto de seu relacionamento com o suspeito, que se mantém há 6 meses. 


Nessa quarta, eles foram a uma clínica médica para realizar um ultrassom de rotina e, em determinado momento, o marido retirou a vítima à força do local, antes que ela pudesse ver o resultado do exame. 


“Ele a colocou dentro do carro e saiu em disparada por via pública. Durante o percurso, desferiu diversos socos na barriga da jovem, injuriando-a com palavras de baixo calão, alegando que o filho era de outro homem, por desconfiar das semanas da gravidez”, explicou a delegada. 


Segundo a delegada, em certa ocasião, ele parou o veículo em uma área de mata, obrigando a vítima a descer e ir para área com ele. No local, jogou-a no chão, subiu nela e desferiu novos socos em sua barriga. 


“Em ato contínuo, ele pegou um canivete e machucou a orelha direita da vítima. E também colocou a arma branca no pescoço dela, ameaçando que furaria sua barriga, no momento em que a jovem chorou e clamou pela vida dela e do bebê. Então ele parou e ambos entraram no carro novamente, deslocaram-se até a clínica e ele pegou o resultado, sem entregar à ela”, relatou a titular. 


Ainda conforme Débora, após o ocorrido, o autor foi até a casa da mãe do ex-companheiro da vítima, de quem ela está separada há dois anos, e a jovem ficou na residência. 


“Aproveitando a ausência dele, ela veio até à delegacia para registrar um Boletim de Ocorrência (BO) e solicitar as medidas protetivas. No relato, ela contou que sofre violência psicológica desde do início do relacionamento, no entanto, sempre o perdoava e por isso nunca o denunciou”, disse a delegada. 


Ao tomar conhecimento sobre os ocorridos, as equipes deram início à ação policial, momento em que se deslocaram até a residência do infrator e efetuaram a prisão dele. 


O homem responderá pelos crimes de tortura e injúria combinados com a violência doméstica e ficará à disposição do Poder Judiciário. 


Fonte: G1

Nenhum comentário