últimas

Milhões na web e pouco no banco: entenda briga entre Luva e empresário

 

Luva de Pedreiro está vivendo no olho de um furacão desde o início desta semana após desabafar sobre a sua insatisfação com Allan Jesus, o seu até então empresário, e a coluna LeoDias ter descoberto inúmeras contradições neste contrato que vão desde cláusulas abusivas ao fato do jovem que já fez um trabalho publicitário de R$1 milhão ter apenas um giro de R$ 7.500 no banco. Segue abaixo um resumo desta história que está longe de ter um fim. 

No último domingo (19/6), Iran Ferreira, o Luva de Pedreiro, surpreendeu a todos ao anunciar que daria uma pausa nos seus vídeos no Instagram e no TikTok. Ele desabafou durante uma live e disse que estaria de ”saco cheio”, sem dar muitas satisfações do porquê. Mas tal fala foi o suficiente para que os fãs do Luva, que já suspeitavam de Allan, colocassem o assunto no topo dos trending topics do Twitter.

Pouco mais de 24 horas após o anúncio, Iran voltou atrás e publicou um vídeo nas suas redes sociais, dando a entender que tudo não passou de uma brincadeira. Mas, além desta revelação, o Luva apagou todas as menções que fazia ao antigo empresário, Allan Jesus, o dono da ASJ Consultoria, e tal ação foi o estopim final para que os mais de 14 milhões de seguidores do baiano se revoltassem.

Foram inúmeras direct messages e até emails que este colunista recebeu sobre as supostas contradições neste relacionamento de agenciador e agenciado e eis que a coluna LeoDias apurou, descobriu e divulgou inúmeras delas. Uma delas é que o influenciador possuía nas duas contas bancárias saldos que giravam em torno de R$7.500. O que gerou muitas questões: como é que pode um menino que é garoto-propaganda do Amazon Prime Video após parceria de R$ 1 milhão ter apenas essa quantia no banco?

Conforme a coluna LeoDias também publicou com exclusividade, várias ofertas de trabalhos foram perdidas por livre e espontânea vontade de Jesus, que não as respondia e nem mesmo comunicava ao Luva o que fazia. A Nike, a UEFA, a Unilever e a Centauro foram uma das empresas que desejavam firmar negócio com Iran Ferreira, mas receberam um não como resposta.

Outro fato revoltante foi a descoberta de que Allan e sua esposa negociaram, no início deste mês, a compra de cinco imóveis que totalizavam a bagatela de R$ 11 milhões enquanto o dono do bordão “Receba!” se via abandonado profissionalmente.

Ainda segundo apuração desta coluna, Iran não tinha sequer acesso às suas próprias redes sociais, não tinha conhecimento do seu próprio endereço residencial e se viu obrigado a pedir ajuda a um gigante da área esportiva, com quem já assinou contrato e deverá revelar nos próximos dias os planos da sua nova gestão de imagem e carreira.


Nenhum comentário